BRONZEAMENTO ARTIFICIAL AUMENTA RISCO DE CÂNCER

Com a chegada do verão muitas pessoas, principalmente as mulheres, correm para as academias e clínicas estéticas para preparar o corpo a aproveitar ao máximo o verão, a estação do ano mais cotada para diversão, piscina, praia e muito sol. Mas é aí que mora o perigo; tomar sol em excesso pode provocar várias doenças, desde desidratação até propiciar o desnvolvimento de câncer de pele.

As pessoas que possuem o hábito de participar de sessões de bronzeamento artificial antes de encarar a piscina, com o objetivo de não fazer feio na frente dos amigos, são os que têm maior chance de desenvolver tumores de pele.

A médica dermatologista dra.Eliane Moreno, da Oncocamp, uma das melhores clínicas especializadas no tratamento de câncer de Campinas, explica que no bronzeamento artificial a radiação emitida é mais prejudicial à saúde do que a solar comum.

“ O bronzeamento artificial causa mais danos à pele porque a quantidade de raios UVB emitidos é mais concentrada dentro das câmaras. O UVB penetra profundamente na pele alterando as fibras elásticas e colágenas e modificando o código genético. Estes problemas só vão aparecer com o passar dos anos; envelhecimento precoce, perda de elasticidade, manchas e desenvolvimento de câncer de pele”.

A maioria dos proprietários de clínicas estéticas que oferecem o serviço afirma que a atividade não danifica a pele já que não provoca vermelhidão, mas a médica explica que isso acontece porque no bronzeamento artificial os raios UVB, que deixam a pele vermelha, são emitidos em menor quantidade, o que justifica a tonalidade da pele depois da realização de algumas sessões. “ O fato da região exposta não ficar vermelha não significa que ela não esteja sendo danificada”, completa.

O câncer de pele é um dos tipos de câncer mais freqüentes e ocupa o topo da lista de maiores incidências de tumores junto com o de pulmão, mama e colo do útero. ” Mas mesmo assim é necessário investir em métodos de prevenção: como todos tipos de câncer é preciso manter hábitos saudáveis e evitar exposição solar em excesso”, afirma Eliane.

As pessoas que possuem casos de câncer de pele no histórico familiar também correm o risco de desenvolver a doença, mas a exposição solar ainda é o principal fator: “ apesar de pessoas de pele muita clara serem alvos fáceis há a possibilidade de todas pessoas apresentarem a doença, já que 4% dos casos registrados são originados em pintas de nascença”. detalha a médica.

Como para todos tipos de câncer a melhor opção é prevenir: em casa deve-se observar as pintas mensalmente. Sob qualquer alteração de cor, tamanho, relevo e no contorno, além de coceira ou sangramento há necessidade de procurar orientação médica.

DICA

A Dra.Eliane citou várias atitudes fáceis e rápidas que as pessoas podem realizar cotidianamente para evitar o tumor de pele e queimaduras mais graves:


1 - a exposição ao sol deve ser evitada no período das 10h às 16h, em que a radiação é mais forte;

2 – utilizar diariamente protetor solar fator 15 nas áreas que ficam mais expostas;

3 – na praia ou no clube use chapéu, guarda-sol, óculos escuros e filtros solares em todo corpo 30 min antes de sair;

4 – repassar o protetor a cada 3 horas;

5 – evitar sessões de bronzeamento artificial; observar possíveis alterações nas pintas.

Fonte: Revista do Câncer de Janeiro.

© Copyright 2011 - ONCOCAMP - Clinica de Oncologia Diag.e Terap. SC Ltda. - Rua Pe. Joaquim Gomes, 149 - Jd. Guanabara - Campinas - SP